Blender adiciona suporte para polígonos N-faces


A equipe de desenvolvimento do Blender anunciou o lançamento da versão 2.63, a última versão estável do open source de modelagem 3D e programa de produção de filme. A maior novidade nesta versão do Blender é a integração do novo motor de modelagem BMesh, mas também se registaram melhorias para o sistema de renderização, o rastreamento de movimento e correções para 150 bugs.

Blender agora suporta completamente polígonos N-faces também conhecido como "N-gons" e o motor BMesh adiciona novas ferramentas como dissolver, Bevel, Inset e outros. Ferramentas de The Knife Subdivide e Rip também foram atualizados para tirar proveito do um melhor tratamento dos polígonos. Usar N-gons faz a modelagem no Blender muito mais flexível. Antes desta versão, o Blender suportava apenas triângulos e quadriláteros para malhas 3D, um fato que muitos usuários lamentavam, uma vez que significa a aplicação estava ficando para trás com relação aos pacotes de modelagem 3D comerciais.

O sistema do programa de renderização ganhou suporte para câmeras panorâmicas e texturas Mirror Ball na versão 2.63, com o sistema de aderência de movimento também está sendo melhorado com algumas correções de bugs. Editor de filme do Blender agora suporta clipes de filme em seu sequenciador e a versão para GNU/Linux tem recebido apoio de arrastar e soltar quando se trabalha com aplicações externas.

Uma lista detalhada das novas funcionalidades do Blender 2.63 pode ser encontrada nas notas de lançamento e o software pode ser baixado para GNU/Linux, FreeBSD, Mac OS X e Windows, a partir da página do projeto, na seção de download. O código fonte do Blender está licenciado sob a GPLv2 e seu desenvolvimento é patrocinado pela organização sem fins lucrativos Blender Foundation.

Fonte e Créditos: aqui

0 comentários:

VirtualBox - versão 4.1.14




Virtualbox 4.1.14 foi lançada recentemente trazendo mais correções e melhorias em termos de desempenho e compatibilidade. Aproveite e baixe agora!

Baixar VirtualBox 4.1.14

Fonte e Créditos: aqui

0 comentários:

Resolvendo problemas de conexão a internet do Ubuntu 12.04

O novo Ubuntu 12,04 trouxe uma abundância de novos recursos. São muitas melhorias no Unity, novas opções do sistema como é o caso do novo menu “Privacidade”, o HUD, além de diversos pacotes atualizados, como é o caso do Network Manager, que desembarcou no Ubuntu 12.04 com a versão 0.9.4, que traz muitas melhorias (que você pode conferir nesta página).
Porém muitos usuários estão reclamando de problemas de conexão a internet nesta versão do Ubuntu, principalmente quem está acessando via 3G, VirtualBox e etc. Os usuários conseguem se conectar normalmente, porém, não conseguem navegar. Esse problema ocorre pois as configurações de DNS não estão sendo devidamente reconhecidas e gerenciadas pelo Network Manager.
Pra resolver isso eu te apresento duas formas: a primeira é este tutorial, que vai lhe ensinar a realizar alterações de DNS no Ubuntu 12.04. A segunda está representada no passo-a-passo abaixo:
Para Ubuntu
sudo gedit /etc/resolv.conf
Para Kubuntu, Xubuntu, Lubuntu
sudo nano /etc/resolv.conf
Insira este conteúdo abaixo no arquivo:
# Gerado pelo NetworkManager
nameserver 8.8.8.8
nameserver 4.2.2.2
Em seguida, salve (se você está usando o nano, pressione CTRL + X, e depois S)
Agora tente navegar. Conseguiu? Legal! Agora vamos “travar” este arquivo pra que ele não seja alterado pelo Network Manager:
sudo chattr +i /etc/resolv.conf
E caso você queira “destravar” o arquivo, digite:
sudo chattr -i /etc/resolv.conf

Fonte e Créditos: aqui

0 comentários:

9 formas de usar o Linux para consertar o seu Windows

Achei muito interessante essa matéria do Tecmundo, e estou compartilhando no meu blog. Acho que vai ajudar muita gente! 

O que o sistema operacional livre pode fazer por aqueles que não são muito fãs dele. 


As distribuições Linux vêm, aos poucos, ganhando seu espaço nos computadores domésticos. Embora ainda haja muitas pessoas que não gostam da ideia de colocar um sistema operacional livre em sua máquina, muitas vezes ter um Live CD com alguma distro pode significar a salvação para seus arquivos ou mesmo para o Windows.

Infelizmente, ninguém está livre de complicações no sistema operacional que utiliza. É muito comum encontrar pessoas que tiveram problemas com o SO, que, por sua vez, fizeram com o que a máquina não conseguisse mais iniciar. Embora o Windows tenha a opção para recuperar a instalação, nem sempre ela funciona como deveria, deixando você na mão e desesperado com a possibilidade de perder seus arquivos. É aí que o Linux pode fazer a diferença na sua vida.

A grande maioria das distribuições Linux (se não todas) pode ser executada diretamente do CD. Dessa forma, é possível utilizar o Ubuntu, por exemplo, para recuperar arquivos na sua partição Windows, resolver algum conflito de hardware ou mesmo alterar a senha-padrão do sistema.

Ficou curioso para saber como tudo isso é possível? Então confira abaixo a lista de soluções que o Linux pode oferecer para você e também o passo a passo para resolver essas complicações.

VOCÊ VAI PRECISAR DE...

Para a realização deste tutorial, a distribuição Linux escolhida foi a Ubuntu. Além de ser relativamente leve, a distro é uma das mais intuitivas e fáceis de instalar. Para executar os procedimentos descritos abaixo, é preciso baixar a imagem ISO do sistema operacional e gravá-la em uma mídia — para que o boot da máquina seja feito por meio do CD.

MÃOS À OBRA

Clonar o HD

Suponha que você comprou um novo HD para o seu computador. Como você faria para transferir todos os arquivos e aplicativos instalados na máquina para o dispositivo recém-adquirido? Uma forma bem simples de fazer isso é clonando o disco rígido, passando o sistema operacional inteiro para a nova peça. Dessa forma, não é preciso se preocupar em instalar novamente o Windows e configurar todos os aplicativos.

A ideia é bem simples, e o processo não é tão complicado quanto parece. Depois de fazer o boot do computador pelo Live CD do Ubuntu, abra o Terminal e digite o seguinte comando:

$ sudo fdisk –l

Isso fará com que a lista de partições e discos detectados pelo sistema operacional seja exibida. Normalmente, os itens da família sda fazem parte do disco rígido principal, enquanto os demais (sdb, sdc e assim por diante) são HDs externos, pendrives, discos secundários ou outros dispositivos de armazenamento.


Agora, você precisa identificar a partição que será copiada e em qual dispositivo ela deverá ser colocada. Como exemplo, faça de conta que os dados do /dev/sda serão clonados para o /dev/sdc. Para que isso aconteça, é preciso utilizar o comando abaixo.

$ sudo dd if=/dev/sda of=/dev/sdc

Se você executar novamente o comando “fdisk”, verá que os dois discos (sda e sdc) contam com o mesmo espaço ocupado. A cópia dos arquivos pode ser feita mesmo para dispositivos não formatados, pois o processo de clonagem se encarrega da tarefa de limpar o local para o qual as informações serão enviadas.
Recuperar partições

Apagar partições por engano é algo que acontece com certa assiduidade a pessoas que trabalham frequentemente formatando e arrumando computadores. Caso isso aconteça, não precisa ficar muito desesperado. Em alguns casos, é possível recuperar não só as partições, como também todos os dados que elas continham antes de serem varridas do disco.

Para isso, você precisa instalar a ferramenta testdisk, que pode ser encontrada da Central de Programas do Ubuntu. Depois de instalar a aplicação, siga os passos abaixo.

1) Execute o comando:

$ sudo testdisk

2) Selecione a opção “No Log” e pressione a tecla “Enter”.

3) A próxima tarefa é selecionar o disco do qual você deseja recuperar as partições. Utilize as teclas direcionais para escolher o item e pressione “Enter” para dar continuidade ao processo.

4) Agora, é preciso selecionar o tipo de tabela de partição utilizada no disco. Na grande maioria dos casos (sistemas de arquivos ext2 ou 3, NTFS e FAT32), a opção correta é “Intel”. Novamente, pressione “Enter” para prosseguir.

5) Na tela seguinte, selecione a opção “Analyse” e aperte a tecla “Enter”.

6) O testdisk mostrará a lista de partições encontradas e, marcadas em verde, aquelas que ele é capaz de recuperar.

7) Para restaurar um dos itens mostrados na lista, é só selecioná-lo e pressionar “Enter”.

8) Uma vez que as partições tenham sido recuperadas, basta reiniciar o computador e acessá-las normalmente.

Existem outras duas aplicações muito parecidas com testdisk. São elas: foremost e scalpel. O princípio de funcionamento das três ferramentas é o mesmo. Vale lembrar que é preciso ter muito cuidado quando se está mexendo com partições, pois qualquer comando errado pode fazer com que todo o disco seja completamente apagado.

Fazer varreduras em busca de vírus

A busca por vírus e outras pragas no computador é uma das tarefas mais executadas utilizando o Live CD de uma distribuição Linux. Para que isso seja possível, você precisa instalar uma ferramenta da Avast no Live CD. Para isso, abra o Terminal e digite a sequência de comandos abaixo:


$ sudo dpkg -i avast4workstation_1.3.0-2_i386.deb

Ao executar o avast! pela primeira vez, a licença será solicitada. Para obter a chave de registro, clique sobre a opção “Click here to obtain license key”. Na janela que aparecer, selecione o navegador de sua preferência no menu dropdown mostrado, pressionando o botão “Ok” logo em seguida.

A página de registro é mostrada. Agora é só preencher os campos com as informações solicitadas, clicar em “Register free license” e aguardar até que a chave de registro seja enviada para o seu email.

Depois isso, é só rodar a aplicação e aguardar até que ela faça uma varredura completa do disco rígido. Caso haja algum vírus no HD, um alerta é emitido, e você pode escolher a ação a ser tomada pelo programa.

Encontrar problemas no Windows ou no hardware

Existem diversas maneiras de utilizar uma distribuição Linux para detectar problemas de hardware. A mais óbvia e simples delas é simplesmente rodando o Live CD. Se tudo funcionar normalmente, sem qualquer imprevisto, significa que o problema apresentado está no Windows, e não no hardware.

Além disso, você pode instalar várias aplicações para teste de RAM e disco rígido. Um bom exemplo é o programa memtest86+, que varre a memória do seu computador em busca de problemas. Além disso, há também o CPU burn, para testar processador e placa-mãe à procura de possíveis falhas.

Ambas as ferramentas citadas acima podem ser encontradas no repositório-padrão do Ubuntu e muitas outras distribuições Linux. Além disso, a Central de Programas oferece uma lista gigantesca de aplicaçãoes para diagnóstico e teste de hardware.

Recuperar dados de mídias danificadas

CDs e DVDs acabam estragando com o tempo. Dessa forma, se você possui uma mídia de backup muito antiga, é possível que não consiga acessar os dados que ela contém. Mas calma, o Ubuntu possui uma funcionalidade muito prática, que permite criar uma imagem ISO da mídia corrompida e, assim, recuperar os dados.

O primeiro passo é instalar o gddrescue por meio da Central de Programas do Ubuntu (ou pelo Synaptic). Feito isso, insira a mídia problemática no drive, abra o Terminal e navegue até o diretório no qual a imagem ISO será armazenada. Uma vez na pasta correta, digite o comando mostrado abaixo.

$ ddrescue –n –b 2048 /dev/cdrom 

Substitua pelo nome da imagem ISO (não se esqueça de colocar a extensão no final). Em , escreva um título para o arquivo de log, seguido por “.log”. Ao final do processo, é possível que alguns erros sejam mostrados na tela.

Isso acontece porque o CD está corrompido, o que torna impossível o acesso a alguns arquivos. Mesmo que o procedimento não consiga recuperar 100% do conteúdo das mídias, documentos importantes ou fotos de uma viagem podem fazer com que a tentativa de restauração valha a pena.

Acessar e copiar arquivos no disco com problemas

Se o problema está apenas no boot do computador, é possível acessar e copiar qualquer arquivo presente no disco rígido. O processo é muito simples, e você não precisa digitar nenhum comando no Terminal.

Clicando em “Places” (Locais), acesse a partição correspondente àquela que possui o Windows instalado. Normalmente, as partes nas quais um disco rígido foi dividido são mostradas separademente e identificadas pelo seu tamanho. Caso seu computador rode apenas um sistema operacional, será mostrada apenas uma partição, com o tamanho total do HD como identificador.


Baixar drivers de rede

Se alguma coisa acontecer com os seus drivers de rede, não será possível acessar a internet para baixá-los novamente, certo? Por isso, o Live CD de uma distribuição Linux pode ser muito útil. Uma vez com o Ubuntu em execução, você só precisa abrir o navegador padrão do sistema e procurar pelo software da placa de rede.

Depois disso, é só copiar o arquivo baixado para um pendrive, reiniciar o computador no Windows e reinstalar os drivers. Dessa forma, você não precisa gastar dinheiro levando a máquina para um técnico arrumar, nem perder tempo indo até uma LAN house para ter acesso à internet e baixar o que precisa.

Limpar o disco de forma segura para vendê-lo

Quando você faz uma formatação simples no disco rígido, ainda é possível recuperar os dados que estavam nele. Com as ferramentas certas, qualquer pessoa consegue reaver fotos, textos e documentos que eram armazenados no HD. Se você quiser vender o dispositivo para alguém, isso pode ser um problema.

No Ubuntu, existem duas formas de tornar a recuperação dos arquivos quase impossível. A primeira delas é usando o comando “shred”, que faz uma limpeza mais leve no HD. Esse método é indicado para quem não tem grandes segredos no disco rígido, mas também não deseja outras pessoas bisbilhotando sua vida particular.

A ferramenta wipe, por sua vez, faz uma limpeza mais pesada, e é indicado para o caso de HD de servidores ou de máquinas utilizadas em empresas. Abaixo você confere como utilizar cada um desses métodos.

Shred

O uso do “shred” é bem simples, mas ele só pode ser utilizado para “corromper” arquivos individualmente. No Terminal, navegue até o diretório no qual está o conteúdo que você deseja tornar irrecuperável. Agora, digite:

$ shred 

Pronto, o documento que você queria deixar longe das garras de outras pessoas não pode mais ser recuperado tão facilmente.

O “shred” funciona sobrescrevendo o arquivo 25 vezes (por padrão). Porém, é possível fazer com que o comando faça essa tarefa mais vezes. Basta utilizar a seguinte instrução:

$ shred –remove –iterations=50 teste.txt

Troque o “50” pela quantidade de vezes que você deseja sobrescrever o documento.

Wipe

O funcionamento do wipe é um pouco diferente, pois ele trabalha com o disco inteiro, e não apenas arquivos. Antes de digitar qualquer comando no Terminal, é preciso localizar o aplicativo na lista do Ubuntu Software Center e instalá-lo.

Feito isso, você pode começar a limpeza. Para ter certeza que você irá apagar o HD correto, utilize o comando “fdisk –l” para listar os dispositivos de armazenamento presentes no computador. Localize o disco desejado e memorize a label dele, que normalmente tem a estrutura “/dev/sdXX”.

Agora sim você pode utilizar o wipe. Para iniciar o processo, digite o seguinte comando no Terminal:

$ sudo wipe 

Substitua pelo caminho memorizado anteriormente. Uma mensagem perguntando se você deseja mesmo executar o comando será mostrada. Digite “Yes” e pressione a tecla “Enter” para prosseguir.

Pode ser que o processo demore bastante, tudo vai depender do tamanho do disco. Vale lembrar que as tarefas executadas pelo wipe não têm retorno. Ou seja, uma vez executado o comando, não há mais como reaver o conteúdo do disco.

Mudar ou recuperar a senha do Windows

Para resetar ou recuperar a senha do Windows, é preciso utilizar a aplicação chntpw, a qual pode ser instalada a partir do Synaptic ou da Central de Programas do Ubuntu. Antes de começar a execução do aplicativo, é preciso montar a partição que contém o Windows. Isso pode ser feito com um simples clique sobre o drive que contém o SO da Microsoft (acessível no menu “Places”).

Ao fazer isso, o “nome” correto do dispositivo será mostrado na Barra de título da janela. Anote essa informação com cuidado, pois ela é imprescindível para o correto funcionamento dos comandos a seguir.

Agora, abra o Terminal do Ubuntu e navegue até a pasta /media. Utilize o comando “ls”, a fim de verificar se a partição que contém o Windows foi, de fato, montada pelo sistema. Agora, faça uso do comando “cd” para acessar o drive com o sistema operacional da Microsoft instalado.

Uma vez que você tenha acessado o drive, digite a seguinte sequência de instruções:

$ cd WINDOWS/system32/config/

$ sudo chntpw SAM

SAM é o arquivo que contém o registro do Windows. Digitando o comando acima, alguns dados serão mostrados na tela, incluindo uma lista com todos os nomes de usuário do sistema. Rolando o conteúdo para baixo, é possível ver um pequeno menu, identificado por “User Edit Menu”, o qual traz opções para você apagar e editar a senha ou alterar permissões das contas.

No caso da senha, o mais recomendado é apagá-la e adicionar outra depois que você acessar o Windows novamente. Para fazer isso, pressione a tecla “1”, para selecionar a opção, e logo em seguida a “y”, para confirmar sua escolha.

Pronto! Agora é só reiniciar o computador, esperar o Windows carregar e adicionar novas senhas de acesso, se assim desejar.

Vale falar...

Se você quiser alterar a senha de um usuário específico apenas, o segundo comando mostrado acima fica um pouco diferente.

$ sudo chntpw –u SAM

0 comentários:

Um pequeno vídeo mostrando o quão fluído está o XBMC no Ubuntu 12.04.

Mais detalhes podem ser vistos em http://orgulhogeek.net

0 comentários:

Ubuntu 12.04 – Guia do Iniciante 2.0

Um guia brilhante está disponível para os usuários do Ubuntu, principalmente os iniciantes. Idealizado por Carlos Eduardo do Val, nessa publicação temos tudo aquilo que um usuário leigo pode precisar. Muito bom, recomendo a todos o download.

"...São dez capítulos que mostram o Ubuntu de forma gradativa e em uma sequência lógica de apresentação de recursos, facilitando o acesso à estes e o aprendizado do sistema por qualquer pessoa. São conceitos de uso do Ubuntu Desktop (Unity), instalação simples, instalação avançada, reinstalação, cópia e restauração de dados, instalação de programas, controles do sistema, Terminal, aplicativos de internet, multimídia, programas alternativos aos padrões instalados e um capítulo avançado, que introduz alguns conceitos de administração de permissões no sistema, uma breve sessão de resolução de problemas e um glossário..."

0 comentários:

Não gostou das barras de rolagem do Ubuntu 12.04?

Muita gente não deve ter gostado (Eu sou um) ou não se adaptou com as "novas" barras de rolagem padrão do Ubuntu, as tais Overlay Scrollbars, presentes na versão 12.04.

Se você pensa como eu, vamos aprender como ter nossas barras de rolagem padrão.

Abra um terminal e digite:

$ sudo aptitude remove --purge overlay-scrollbar liboverlay-scrollbar-0.2-0 liboverlay-scrollbar3-0.2-0

0 comentários:

Ubuntu 12.04 - Versão final

Considero um importante lançamento, mesmo não tendo nela todas as coisas que eu gostaria, mais por mais controversa que possa parecer a interface Unity, ela está rápida, estável e mais polida. Mesmo com as deficiências, é possível driblar com aplicativos de terceiros, ou simplesmente se adaptar com o que está sendo oferecido e ficar na torcida por melhorias no próximo lançamento.

Sugiro além de instalar o suporte aos codecs e o java, como demostrado na postagem anterior, sugiro que o o usuário também instale alguns programas básicos para melhorar sua experiencia com o Ubuntu.

Vlc, Synapse, Synaptic & Gdebi, Ubuntu Tweak, Google Chromium, Catfish, MyUnity, Unsettingse ogthumb.

Para instalar no terminal digite:

$ sudo apt-get install synaptic synapse vlc audacious chromium-browser myunity gdebi

sudo add-apt-repository ppa:tualatrix/ppa
sudo apt-get update
sudo apt-get install ubuntu-tweak

sudo add-apt-repository ppa:diesch/testing
sudo apt-get update
sudo apt-get install unsettings 

sudo add-apt-repository ppa:webupd8team/gthumb
sudo apt-get update
sudo apt-get install gthumb


Download do Ubuntu 12.04 LTS


http://releases.ubuntu.com/precise/ (Ubuntu, Ubuntu Server)

Capa Desktop (CD pdf) (frente pdf), (verso pdf)

Capa Servidor (CD pdf) (frente pdf), (verso pdf)

Ou atualize da versão anterior no terminal digite:

sudo apt-get update
sudo apt-get upgrade
update-manager -d

Vídeo demostrativo feito pelo blog Omg Ubuntu



Fonte e Créditos: aqui

0 comentários:

Como alterar as configurações de DNS do Ubuntu 12.04 e Debian?

Se você já está usando o Ubuntu 12.04 ou os updates mais recentes do Debian 6.x, deve ter reparado que o arquivo /etc/resolv.conf, que era responsável pela configuração do DNS em sistemas Linux, não existe mais. WTF????
Isso mesmo, no lugar dele foi implementado um pacote de scripts que, em conjunto com o NetworkManager e com o DHCP Client, alteram o DNS em conexões com IP dinâmico e/ou gerenciadas por PPPoE. No lugar do arquivo /etc/resolv.conf agora está o diretório /etc/resolvconf/, onde encontramos os arquivos responsáveis pelo gerenciamento de DNS resolv.conf.d/head eresolv.conf.d/base, dentre outros. Os quais não podem e não devem ser alterados manualmente, como era feito com o antigo resolv.conf.
Bom, nosso intuito não é explicar o porque da mudança, e sim como alterá-lo de forma simples e funcional. Para entender melhor essa mudança, acesse esse link. Neste exemplo irei utilizar o Ubuntu 12.04, porém a configuração no Debain não é muito diferente. Vamos lá!
Abra um terminal e digite:
sudo apt-get install resolvconf
Caso já esteja instalado, ok. Agora digite:
sudo nano /etc/resolvconf/resolv.conf.d/head
Será aberta a janela abaixo:
Abaixo do conteúdo já existente no arquivo, vamos digitar os servidores DNS que queremos inserir. No exemplo irei usar o DNS do Google 8.8.8.8 e o DNS raiz 4.2.2.2. A sintaxe deve ser essa:
nameserver   [IP_do_DNS]
O arquivo deverá ficar como o exemplo abaixo:
Após isso, pressione CRTL + X, pressione a tecla S e salve o arquivo como /etc/resolv.conf, como na imagem abaixo:
Agora digite:
sudo resolvconf -u
Reinicie sua máquina e abra o gerenciador de redes do seu sistema para conferir o DNS da sua conexão. Se você fez tudo correto, estará assim:
Para maiores detalhes e outras opções de configuração no Debian, acesse esse link.
Fonte e Créditos: aqui

0 comentários:

Guia de pós-instalação do Ubuntu 12.04!

O Ubuntu 12.04 “Precise Pangolin” será lançado hoje (acompanhe este link). Se você já utiliza a versão 11.10 do Ubuntu, você pode atualizar automaticamente para a versão 12.04 com o simples comando abaixo, e terá seu sistema atualizado sem perder seus aplicativos. Porém, eu particularmente, prefiro formatar a minha máquina e realizar uma instalação do zero, para evitar possíveis bugs.
O comando para atualização automática é este:
update-manager -d
Legal, mas após instalar o Ubuntu 12.04 na minha máquina, o que devo fazer? Primeiro, apenas depois de terminar a instalação, atualize todos os pacotes imediatamente no sistema: chame a barra de pesquisa do Unity (pressionando o botão “Super”, aquele com o logo do Windows) e escreva, no campo pesquisa, a palavra “terminal” (sem aspas). Clique no ícone do terminal, e digite o comando abaixo:
sudo apt-get update
sudo apt-get dist-upgrade

O segundo passo é atualizar os pacotes de idioma

Você sabia que … se você não tiver baixado as atualizações pela rede durante a instalação … você vai acabar acabar com o sistema operacional meio português, meio-Inglês?
Para resolver este problema, clique no botão On / Off (no painel ao lado de seu nome), selecione Configurações do Sistema, e clique em Idioma. Nesse ponto, o próprio sistema irá perguntar se você deseja completar a instalação: selecione Instalar … e está feito! Lembre-se de reiniciar o computador para que as alterações tenham efeito!

Atualizar Drivers

Meu conselho é verificar imediatamente se há drivers proprietários para seu hardware. Tudo que você precisa fazer é pressionar a combinação de teclas ALT + F2 e escrever:
jockey-gtk
Aguarde a conclusão da pesquisa e, possivelmente, atualize seus drivers.

Ativar gravação e suporte ao sistema de arquivos NTFS

Talvez você nunca percebeu, mas em um novo sistema, a instalação do suporte de escrita à NTFS (o sistema de arquivos padrão do Windows), geralmente não está habilitada. Um exemplo? Se você executou uma instalação mínima do Ubuntu (com a ISO “alternativa”) não poderá escrever em partições e discos NTFS nativamente. Como corrigir? Instalando o pacote ntfs-3g. Abra um terminal e digite
sudo apt-get install ntfs-3g

Instalação dos pacotes restricted extras

Este metapacote é imprescindível, pois permite que você instale diversas bibliotecas e utilitários, comoextração de arquivos .rar, drivers para certos tipos câmeras e muito mais. Todas as bibliotecas / aplicações / drivers são compilados neste metapacote por causa de questões de redistribuição e de licenciamento (eles podem ser distribuídos e instalados com o sistema operacional). Para instalar, abra um terminal e digite:
sudo apt-get install ubuntu-restricted-extras

Instalando o Java

Para instalar o Java no seu Ubuntu, siga este tutorial (Java 7) ou este (Java 6 update 31)

Instalando o Flash

O Flash para Linux foi descontinuado (entenda aqui como irá funcionar agora). Porém, não quer dizer que não exista mais! Abra um terminal e digite:
sudo apt-get install flashplugin-installer
Será instalado a versão 11.2, a última versão com suporte oficial da Adobe.

Fluendo

Se você não tiver ativado os codecs de terceiros, que são instalados durante a instalação do sistema, é hora de instalar o codec Fluendo (ele é o codec responsável pela reprodução de arquivos .mp3), pois ele não vem com o Ubuntu por motivos de restrições de licença. Vamos ao terminal:
sudo apt-get update
sudo apt-get install gstreamer0.10-fluendo-plugins-mp3*

Medibuntu

Os repositórios Medibuntu (Multimedia, Entertainment & Distractions In Ubuntu) é um repositório que contém pacotes que não podem ser incluídos na distribuição por razões legais (direitos autorais, licenças, patentes …), mas que são essenciais para um sistema completo de codecs para reprodução dos principais tipos de arquivos de mídia. Para instalar o Medibuntu, acesse este link aqui.

FFMpeg

Ele é um framework multi-plataforma para codificação/decodificação de conteúdos multimédia. É importante instalar se você for usar o seu sistema para operações de conversão de áudio/vídeo de um formato para outro. Para instalar, vá ao terminal e digite:
 sudo apt-get install ffmpeg

Aplicativos para personalizar seu Unity

Você está feliz com a Unidade? Que bom, eu também, rsrs.. você pode personalizá-lo ainda mais o seu Unity com ferramentas tipo o MyUnityUbuntu TweakUnsettings e etc. Escolha uma delas e instale no seu Ubuntu 12.04
Aproveito para avisar que esta versão do Ubuntu vem com diversos novos atalhos de teclado (que diga-se de passagem são extremamente úteis). Na sua área de trabalho, pressione a tecla Super e fique segurando, que uma tela será aberta lhe mostrando os atalhos da versão.

Alternativas para o Unity

Bom, como estamos no mundo Linux, você não é obrigado a usar nada! Se não gostou do Unity, ok, escolha outro gerenciador de janelas pro seu Ubuntu. Se você quer usar o Gnome 3, basta abrir um terminal e digitar:
sudo apt-get install gnome-session gnome-shell
“Eu gostava mesmo era do Gnome 2…”
Não tem problema! A equipe do Gnome liberou o Gnome Fallback: uma interface idêntica a do Gnome 2 que roda no Gnome 3. Para instalar o Gnome Fallback, abra um terminal e digite:
sudo apt-get install gnome-session-fallback
Se você ainda preferir utilizar o KDE ou o LXDE, ao invés de baixar o Ubuntu, baixe o Xubuntu ou oLubuntu.
Pronto, agora seu Ubuntu 12.04 está prontinho pra você usar e abusar!
Com informações daqui
Fonte e Créditos: aqui

0 comentários:

O conteúdo deste blog/site pode e deve ser divulgado, conforme lei a 9.610/98 meus direitos estão assegurados, portanto eu permito a copia e reprodução gratuita, seja total ou parcial, não acarretando qualquer onûs financeiro aos interessados, porém, vedo o uso para fins lucrativos, toda reprodução para o público deve citar a fonte extraída, no caso o Técnico Linux - O Espaço do Software Livre e seja citada junto com um link para a postagem original, onde a referência deve estar numa fonte de tamanho igual ou maior a do texto, obviamente que os links citados não estão sujeitos ao mesmo termo. O conteúdo textual original desta página está disponível sob a licença GNU FDL 1.2.

Todas as marcas citadas pertencem aos seus respectivos proprietários. Os direitos autorais de todas as ilustrações pertencem aos respectivos autores, e elas são reproduzidas na intenção de atender ao disposto no art. 46 da Lei 9.610 - se ainda assim alguma delas infringe direito seu, entre em contato para que possamos removê-la imediatamente ou ainda lhe dar os devidos créditos.

Copyright © 2016 O Espaço do Software Livre